ConteúdosNotícias

Incêndio de grandes proporções atinge o Parque Estadual Mata da Pimenteira, em Serra Talhada

Um incêndio de grandes proporções atinge o Parque Estadual Mata da Pimenteira, primeira unidade de conservação de Pernambuco no bioma Caatinga, localizada em Serra Talhada, no Sertão do Pajeú. O fogo teve início na manhã do domingo (11) ainda não foi controlado. Equipes do Corpo de Bombeiros de Pernambuco e da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) combatem as chamas. Até o momento, não há estimativa do tamanho da área afetada pelo incêndio, nem da causa ou das consequências do fogo na região.

“Estamos com o Corpo de Bombeiros de Pernambuco e com profissionais da CPRH nesta luta para extinguirmos o incêndio que, na tarde de ontem, parecia controlado. No entanto, os ventos da noite fizeram as chamas aumentarem e, hoje, o fogo se alastrou, saindo dos limites da unidade de conservação. O combate está sendo realizado, a partir de hoje, também por via aérea, com o apoio de uma aeronave para o lançamento de água”, explicou o diretor presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Djalma Paes.

A área em chamas é montanhosa e consequentemente de difícil acesso para os profissionais. A baixa umidade do ar, a alta temperatura na região e a mudança da direção dos ventos também dificultam o trabalho. O analista ambiental da CPRH e gestor do Parque Estadual Mata da Pimenteira, Rodrigo Ferraz afirma que “A unidade de conservação possui quase 900 hectares de extensão, onde predomina a Caatinga. É uma área com muitas pedras, de vegetação fechada, o que dificulta o acesso. Mas, desde que fomos acionados, estamos juntos com o Corpo de Bombeiros e os voluntários, nesta missão”.

Responsável por comandar a operação de combate ao incêndio no Parque Estadual Mata da Pimenteira, o tenente coronel do Corpo de Bombeiros, Cristiano Correa explicou que os incêndios em áreas florestais demoram a serem extintos porque não é só a queima aparente, vista na superfície. O fogo também existe na profundidade do solo. “É como uma fogueira de São João, que você julga apagada, mas que, ao revolver as cinzas, percebe que ainda há brasas. Isto é o que acontece em um incêndio em uma área de campo, só que em proporções muito maiores”.

De acordo com o tenente coronel, do dia primeiro de agosto ao dia dez de outubro, o Corpo de Bombeiros atendeu mais de 250 chamados para contenção de incêndios em vegetação nativa na região do Sertão do Pajeú. “Apagamos incêndios também no Sertão do Araripe, do Moxotó, Central e do São Francisco, mas, as ocorrências no Sertão do Pajeú superaram os números das outras áreas. Este ano, já em outubro, contabilizamos um aumento de mais de trinta por cento dos incêndios ocorridos em relação ao ano de 2019, só na região do Pajeú”.

A explicação dada pelo comandante é de que, além dos ventos, da baixa umidade e da alta temperatura, o ano de 2020 foi de chuva abundante no Sertão, o que significa crescimento da Caatinga. “Parece contraditório: em anos de mais chuvas, mais focos de incêndio. Mas o crescimento da vegetação leva ao aumento da biomassa, que vira combustível. Pega fogo rapidamente. Como a chuva traz de volta a esperança na colheita, o sertanejo volta a plantar. E pequenos agricultores que fazem a limpeza de áreas, queimando a terra para plantarem, que é o sistema de coivara, também promovem o risco de incêndios”, comentou.

Parque Estadual Mata da Pimenteira

Localizado a cerca de 3 km ao norte do centro urbano de Serra Talhada, o Parque tem uma área total de 887,24 ha e recebe o título de Primeira Unidade de Conservação do Estado de Pernambuco no bioma Caatinga. A diversidade da fauna e da flora do local levaram o Governo do Estado a criar o Parque Estadual Mata da Pimenteira, localizado no Município de Serra Talhada – uma Unidade de Conservação da Natureza, na categoria de Proteção Integral.

A unidade tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, capaz de possibilitar o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental e de ecoturismo.

Do JC Online

Deixe seu comentário