Família de noiva morta em queda de helicóptero processará empresas

Após a divulgação do vídeo que mostra o momento exato da queda do helicóptero que levava a noiva Rosemeire Nascimento da Silva ao próprio casamento, em São Lourenço da Serra, São Paulo, a defesa da família informou, nesta quinta-feira (6), que pretende processar os envolvidos no transporte.

O advogado Fernando Henrique dos Reis acredita que a HCS, empresa proprietária do helicóptero, e a Voenext, responsável pelo agendamento do voo, são responsáveis pela queda. “Iremos pontuar no processo que a empresa Voenext funciona apenas como intermediadora e não tem autorização para fazer voos de translados e de táxi aéreo, assim como a HCS, pois o helicóptero era registrado para uso privado. Isso só agrava mais a responsabilidade das empresas, que não poderiam efetuar este tipo de serviço” , detalhou o advogado ao G1.

Reis alega ainda que o piloto, Peterson Pinheiro, também não tinha formação necessária para lidar com o mau tempo. “As imagens mostram o desespero dos passageiros e o erro crasso do piloto. Ele não tinha ideia do que estava fazendo& #8221;, denuncia. O advogado diz que a família da noiva e do irmão dela, Silvano Nascimento da Silva, que também faleceu com a queda do helicóptero, solicitarão indenização por danos morais e materiais.

A queda de dezembro passado causou, ainda, a morte do piloto e da fotógrafa Nayla Cristina Neves Lousada, que estava grávida de seis meses. O vídeo encontrado pela família mostra o voo desde o início até a queda. Dá para ver que a noiva, e seu irmão, estão claramente tensos. O material já está sendo usado na investigação da Polícia Civil e da Aeronáutica.

A HCS informou, ao G1, que não se pronunciará sobre a investigação. A Voenext declarou, por sua vez, que não é dela o papel de analisar questões técnicas. A empresa que agendou o voo informou ainda que  ofereceu “ solidariedade e se colocou à disposição da famílias”.



Deixe uma resposta