Vazão da água atinge menor patamar em reservatórios do São Francisco

Em publicação no Diário Oficial da União de ontem, foram divulgados os valores da vazão mínima de água a ser liberada pelos reservatórios de Sobradinho e Xingó no Rio São Francisco. A Agência Nacional de Águas (ANA) autorizou a prorrogação do mínimo de 550 metros cúbicos por segundo (m³/s) ao dia, menor patamar médio já liberado. A medida, que vai valer até o dia 30 de novembro deste ano, foi necessária para assegurar que a água dure o máximo de tempo possível, já que a região sofre uma seca severa desde 2012.

Para conter essas dificuldades nas condições hídricas, a ANAvem autorizando a redução na vazão mínima abaixo de 1.300m³/s ao dia, a ser praticada pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf). Ainda segundo a companhia, está liberado 523m³/s para descargas instantâneas, ou seja, para usos pontuais. “A partir de então, as defluências mínimas desses reservatórios têm sido reduzidas gradativamente, conforme verificada a necessidade de adequação às condições climáticas mais severas e sempre buscando garantir a segurança hídrica na bacia”, informou a ANA.

De acordo com o especialista em recursos hídricos, João Suassuna, a medida é um “freio” para o uso de irrigação a partir da água do rio. “Estão sendo feitos usos de forma exacerbada dos principais aquíferos. Ou seja, estão retirando muita água do subsolo e chegando pouca água nos reservatórios”, explicou o especialista, ao complementar que a redução na vazão mínima é importante. “Se não tivesse esse controle, a situação estaria pior porque o uso da água seria ainda maior”, acrescentou.

Segundo a ANA, “cabe à Chesf informar as populações das cidades ribeirinhas do Baixo e Submédio São Francisco sobre as reduções de vazão”. A primeira redução da vazão ocorreu em 2013, que foi de 1.300m³/s para 1.100m³/s. Após avaliações de impactos na bacia, a Agência autorizou efetivamente a partir de outubro do ano passado a média de 550m³/s.



Deixe uma resposta