Novo tabu no caminho do acesso do Náutico

 

 

 

 

Náutico foi o primeiro clube na história da Série C, desde o atual modelo, adotado em 2012, que alcançou o G4 após somar menos de dois pontos nas quatro primeiras rodadas. Também foi o único a fechar o primeiro terço do torneio na lanterna e terminar na liderança. Feitos que aumentaram a confiança no acesso. Mas após a derrota por 3×1 para Bragantino, no Nabi Abi Chedid, no duelo de ida das quartas de final do certame, o destino lançou mais um tabu para os alvirrubros. Apenas um clube conseguiu reverter no mata-mata inicial da terceira divisão uma desvantagem de dois gols de diferença. Contexto que torna a missão dos pernambucanos com tons ainda mais históricos.

O Guarani é o único clube que conseguiu o feito que o Náutico tanto espera que aconteça no próximo domingo, na partida de volta, na Arena de Pernambuco. Nas quartas de final de 2016, a equipe paulista perdeu por 3×1 em Alagoas. No jogo seguinte, no Brinco de Ouro, o Bugre venceu por 3×0.

Os demais times que foram derrotados por no mínimo dois gols na primeira partida das quartas não conseguiram o acesso. Em 2012, foram dois casos. O Luverdense perdeu por 3×0 para a Chapecoense na ida e só ganhou por 1×0 na volta. O Macaé foi superado por 2×0 e, em seguida, venceu por 3×2 – insuficiente para garantir vaga na Segundona.

Em 2013, novamente o Macaé se complicou ao perder a primeira por 5×3 para o Sampaio Corrêa. Na segunda, empatou em 1×1. Dois anos depois, o ASA foi derrotado por 2×0 fora de casa e ganhou por apenas 2×1 em seus domínios.

No ano passado, foram três situações parecidas e nada de reviravoltas. Tupi, Confiança e Tombense perderam por 2×0 seus respectivos jogos para Fortaleza, São Bento/SP e CSA. Na volta, os mineiros foram os únicos que ganharam, mas somente por 1×0. Paulistas e sergipanos ficaram no 0x0, enquanto os alagoanos voltaram a vencer a Tombense, desta vez por 1×0.

O cenário é complicado, mas os alvirrubros seguem otimistas. “O resultado foi ruim, mas a torcida deve ir à Arena porque vamos reverter isso. O gol de Ortigoza nos botou no jogo. Faremos uma grande festa e subiremos”, afirmou o vice-presidente do clube, Diógenes Braga. Discurso parecido com o do técnico Márcio Goiano.

“Agora é hora de ter tranquilidade. Fizemos bons jogos na Arena até então. Jamais deixaremos de acreditar e temos que motivar ao máximo os atletas. Eu tenho certeza que a torcida estará na Arena e irá nos apoiar, fazendo com que o Náutico cresça e consiga o acesso”, declarou.

 

Da Folha de Pernambuco


Deixe uma resposta