À espera de compensação financeira da CBF, Santa Cruz promete pagar março até sexta

O valor da compensação exigido pela diretoria tricolor seria substancial, ultrapassando os R$ 3 milhões

A depender da promessa do presidente Alírio Moraes, o Santa Cruz está bem próximo de quitar março com o elenco. Após o clube não ter pago a folha na data do vencimento, no último dia 15, o mandatário coral havia prometido a resolução do caso para o fim deste mês. Em contato com a reportagem do Superesportes nesta última quarta-feira, Alírio foi mais exato e afirmou que a dívida com os jogadores será devidamente paga até esta sexta-feira. Para tanto, o Tricolor espera ainda a liberação de um dinheiro da CBF referente à compensação financeira pela exclusão do time da atual edição da Copa Sul-Americana.

O passivo de março e de premiações trouxe transtornos ao clube. Gerou cobranças dos atletas e a direção foi obrigada a convocar uma coletiva para colocar panos mornos na situação. Agora, o presidente se mostra otimista na quitação do débito com os jogadores. Está no Rio de Janeiro para resolver junto à CBF como será recompensado por ter perdido a vaga no torneio continental. Campeão da Copa do Nordeste do ano passado, o Tricolor se qualificaria automaticamente à Sula devido ao título. Mas a Conmebol mudou o critério de classificação e o Santa viu a vaga escapar de suas mãos, em dezembro.

Alírio Moraes negocia agora com a entidade máxima do futebol nacional quanto será o pagamento da recompensa e qual a forma de pagamento deste valor que irá ajudar a quitar a folha de março. Almoçou nesta quarta-feira com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero.

 
Segundo apuração do Superesportes, o valor da compensação exigido pelo Tricolor é substancial: ultrapassa os R$ 3 milhões. “Até sexta-feira devo estar pagando. Estamos esperando a compensação financeira da Sul-Americana”, declarou o presidente. A premiação pela vitória em casa sobre o Salgueiro (na primeira semifinal do Estadual) também será quitada.

A direção está otimista no recebimento do montante porque estaria acobertada juridicamente. Ainda de acordo com informações colhidas pela reportagem, caso não consiga a compensação ou a oferta da CBF não atinja o valor esperado, o clube não descarta uma ação na Justiça Comum contra a entidade.

Por: SuperEsportesPE


Deixe uma resposta