Após turbilhão, Edno Melo deixa passado e foca 2019 do Náutico com base nos acertos

Retorno aos Aflitos é uma das maiores conquistas do Náutico, neste ano, segundo presidente — Foto: Leo Lemos / Náutico

Três semanas após a desclassificação da Série C, que condenou o Náutico a uma parada de quatro meses até o reinício dos trabalhos com foco na próxima temporada, o presidente Edno Melo se apega ao lado positivo de 2018. Entende que, mesmo diante da frustração ocasioda pelo insucesso na Série C, o Timbu teve êxito em quase todas as empreitadas da temporada.

– A torcida entendeu isso. Nunca vi aquilo do jogo contra o Bragantino, na Arena. Terminou a partida, estávamos fora da Série B, íamos continuar mais um ano na Série C, ainda assim o torcedor aplaudiu o time – relembra o presidente.

Por sucesso, Edno Melo elenca possibilidades vistas como impossíveis, no início da sua gestão. Uma delas, a volta aos Aflitos, considerada, por ele, a ação mais importante do ano. Vê o retorno à antiga casa como um ato de ressurgimento, um ponto de partida para coisas maiores, em 2019.

– Quando falava de retorno aos Aflitos, poucos acreditavam. E, junto do torcedor, sentia que estar de volta era o maior desejo de todos, mais até que a conquista do Pernambucano, depois de 13 anos de fila. A torcida queria voltar mais que ser campeã. A Arena é um estádio incrível, moderno, pode ser bom para Sport, para o Santa Cruz, mas para a gente, não.

Edno entende a desclassificação na Série C como um ato típico do futebol. Construído em campo. Em contrapartida, ampara-se em sustentáculos realistas, como a conquista do Campeonato Pernambucano, depois de 13 anos de fila. Na Copa do Brasil, a equipe, desacreditada por muitos, chegou à quarta fase – e lucrou bastante com isso, técnica e financeiramente.

– Acho que fizemos 90% que podíamos fazer. Não ir para a Série B foi ruim, sem dúvida. No próximo ano, estaríamos em outro patamar. Mas, dentro do que nos propusemos, num primeiro ano de gestão, com o nível de austeridade que implantamos e as economias que fizemos, considero que tivemos sucesso.

Sucesso também com relação à credibilidade do Náutico no mercado. De clube com fama de mau pagador – o Timbu está em dia com a folha de pagamento, foi assim o ano todo -, o presidente garante vida nova em 2019.

– O que ganhamos com a questão da imagem do clube não tem preço. Muitos clubes nos ligam para se colocar à disposição para ajudar no próximo ano. Recebemos ligação, por exemplo, do Atlético-PR, que quer nos ajudar. O Goiás a mesma coisa – revela.

Do Globo Esporte


Deixe uma resposta